dias atrás, eu chorava. mais não porque eu não acreditava, é que era didícil, e você era ruim. maltratava todos os sentimentos bons, porque não queria acreditar num setimento simples, indolor. eu sei também, que tive medos e defeitos, sei da minha vontade de consertá-los. mais enquanto meus olhos choravam, muitas bocas riam. e você, era uma delas. agora perceba, todos os verbos estão no passado, fica a dica.

longe de você.

abril 7, 2009

 

É que quando eu não to com você,  os cheiros não ficam longe de mim também, e a minha vontade de rimar, também fica longe de mim. Quando você vai o dia escurece e eu preciso de uma luminária, de uma lamparina e de um vaga-lume pra ver se não me perco no caminho, voltando pra casa. Quando você vai, fica tudo preto e branco, muito mais preto inclusive, e as cores esquecem como são, elas simplesmente somem. Resumindo, quando você vai e eu também vou, me dá vontade de não sentir, porque é melhor não sentir nada a sentir isso.

INCONDICIONAL

abril 4, 2009

SÓ QUEM ENTENDE DE LOUCO, PRA PODER ENTENDER O AMOR, PALAVRA DE  Lair Ribeiro:

“O que a maioria das pessoas chama de amor são formas neuróticas encontradas para não ficarem sozinhas e costumam estar vinculadas a uma série de condições, caracterizando um jogo nem um pouco saudável. (…) Amor, de verdade, precisa ser incondicional. O amor incondicional liberta ao invés de aprisionar, faz crescer ao invés de conter, expande ao invés de comprimir.” Dr. Lair Ribeiro, psiquiatra.

+ eu! ;D

abril 2, 2009

familia-398

Foi, passou, doeu e não dói mais, […] foi, agora tudo tá normal, […] e o mundo é mais colorido. […] O que sofri e chorei, passou já era.[…]Meu amor, seu amor, virou novela, brincou de amar, me perdeu.[…] Agora eu sou mais eu.